VOLTANDO AO DEUS VERDADEIRO

p000007636

Gênesis 22: 1 – 19 

Vivemos em uma cultura repleta de ídolos, aliás, o coração humano é uma fábrica de ídolos. 

O que é idolatria? É substituir Deus por alguma coisa criada no coração, no centro da vida. 

Ou seja, quando a nossa mente se ocupa muito com um desejo e nossos afetos se concentram muito nele, ocorre a adoração a um falso deus. 

O que é um ídolo? É qualquer coisa mais importante que Deus para você, que domine seu coração e sua imaginação mais do que Deus. É qualquer coisa que você busque a fim de receber o que somente Deus pode dar. 

A única maneira de nos libertarmos da influencia destrutiva dos falsos deuses criados no coração é nos voltarmos para o Deus único e verdadeiro. 

Porque fabricar falsos deuses no coração é algo tenebroso e costuma ser um desastre? 

O salmo 106: 15 diz: “Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma”

Deus concede os maiores desejos do nosso coração, porém quando aquilo se transforma em um ídolo, isto se torna um perigo, pois ganhamos o mundo, mas perdemos a alma. Nosso amor por Jesus vai definhando, deixados para trás. 

No livro de Romanos, Paulo escreveu que uma das piores coisas que Deus pode fazer às pessoas é (entregá-las) ao desejo ardente de seus corações. 

Vejam Romanos 1: 24: “Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos do seu coração, para a degradação do seu corpo entre si”. 

Paulo resume a história da raça humana em uma frase: “… Adoraram e serviram à criatura em lugar do Criador” (v25). 

O princípio central da bíblia é a rejeição da idolatria, pois sabemos que seus efeitos são devastadores. 

Nosso coração pode neste momento estar se tornando uma fábrica de ídolos e eles podem vir em forma de amor, sexo, dinheiro, sucesso ou poder. 

Um dos personagens centrais da bíblia é Abraão. Deus lhe concedeu o que o seu coração desejava, mas será que o maior desejo de Abraão se transformaria em um ídolo?

Vamos ao texto: Gênesis 22: 1 – 19.  

Percebam que mesmo contrariando toda esperança, Abraão gerou um filho. Ele agora tinha tudo o que sempre sonhou, porém Deus lhe pede para abrir mão de tudo. 

Vamos relembrar o primeiro chamado de Abraão. 

Deus aparece a Abraão e lhe faz uma promessa surpreendente e caso ele a obedecesse Deus abençoaria todas as nações da terra. 

Abraão confiante em seu chamado sai de sua terra, deixa sua parentela e foi para uma terra desconhecida. Abriu mão dos parentes, dos amigos e de tudo o que lhe daria segurança.

Deus disse que lhe daria uma descendência, um filho, porém Sara sua esposa nunca foi capaz de conceber, pois era estéril. 

Por fim, Abraão com mais de cem anos de idade e Sara já passava dos noventa anos, ela deu à luz a um filho, Isaque. 

Perceba que isto foi uma clara intervenção divina, por isso o nome de Isaque significa “riso”, pois esta seria a maior alegria dos pais. 

Creio que nenhum homem ansiou por um filho mais que Abraão, pois ele abriu mão de tudo por este promessa. 

Uma grande questão agora está em jogo!

Abraão havia esperado e se sacrificado por Deus ou pelo menino? Deus havia sido apenas um meio para um fim? Abraão teria servido a Deus apenas para conseguir um milagre? 

Abraão aprendeu a confiar em Deus somente, a amar a Deus por quem ele é, e não apenas por aquilo que poderia obter desse Deus? 

Chegamos agora ao segundo chamado de Abraão. 

Depois de Deus conceder o desejo do coração de Abraão, cumprindo uma promessa do próprio Deus, agora Abraão recebe um chamado surpreendente, veja: 

Então disse Deus: “Tome seu filho, seu único filho, Isaque, a quem você ama, e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali como holocausto num dos montes que lhe indicarei” (2). 

Percebam que Deus não se refere ao menino como “Isaque”, mas sim como “teu filho, teu único filho a quem amas”. 

Será que o amor de Abraão por seu filho se convertera em adoração? O centro da vida de Abraão estaria mudando? Abraão amaria mais a Deus ou ao seu filho? 

Deus não está dizendo que não se pode amar um filho, mas que não se deve transformar um ser amado em um falso deus, um ídolo. 

Se você colocar um filho no lugar do Deus verdadeiro, cria um amor idólatra que sufocará a criança. 

Algo importante: Na cultura do Antigo Testamento, o filho primogênito seria consagrado ao Senhor, portanto pertenceria a Deus. 

Deus pediu para que Abraão apresentasse seu filho como oferta queimada, seu filho morreria pelos pecados da família. 

Para destruirmos falsos deuses criados no coração necessitamos de uma jornada até o monte de sacrifícios. 

Abraão não questiona Deus, na manhã seguinte levantou-se pegou o jumento, levou dois dos seus servos, cortou lenha para o sacrifício e partiu para sua jornada.

Muitos questionam Deus do por que deveriam abrir mão de tudo o que o seu coração deseja, e a resposta será surpreendente. 

Passados três dias Abraão viu o lugar de sacrifício e disse aos seus servos: “Fiquem aqui com o jumento enquanto eu e o rapaz vamos até lá. Depois de adorar, voltaremos”. 

Creio que Abraão não tivesse a mínima idéia do que Deus faria, mas sabia que de algum modo Deus eliminaria a divida que exigia a vida do primogênito. 

Abraão sabia, Deus é santo e gracioso, não sabia como Deus manifestaria este dois atributos, mas sabia que faria. 

Isaque faz uma pergunta impactante para seu pai. “As brasas e a lenha estão aqui, mas onde está o cordeiro para o holocausto”? 

A resposta é ainda mais surpreendente: “Deus mesmo há de prover o cordeiro para o holocausto”. 

Percebam agora que cena terrível: (vers. 9, 10). 

“Quando chegaram ao lugar que Deus lhe havia indicado, Abraão construiu um altar e sobre ele arrumou a lenha. Amarrou seu filho Isaque e o colocou sobre o altar, em cima da lenha. Então estendeu a mão e pegou a faca para sacrificar o seu filho”. 

Amados, nosso Deus é o Deus que provê todas as coisas para que possamos viver uma vida de adoração a Ele somente. 

Naquele exato momento a voz de Deus chama Abraão novamente. Abraão! Abraão! “Eis-me aqui, respondeu ele”. 

“Não toque no rapaz, disse o anjo. Não lhe faça nada. Agora sei que você teme a Deus, porque não me negou seu filho, seu único filho”. (12). 

Naquele exato momento Abraão viu um carneiro e foi lá pegá-lo e o sacrificou como holocausto no lugar de seu filho. Abraão deu àquele lugar o nome de “O SENHOR PROVERÁ”. 

Abraão sacrificou o carneiro no lugar do seu filho. 

Abraão estava descobrindo que ele amava a Deus sobre todas as coisas. Abraão passou no teste da fé, seu coração não se contaminou mesmo recebendo sua maior promessa. 

Deus disse: Agora sei que você teme a Deus. Ou seja, agora sei que me amas mais que qualquer coisa no mundo. 

Deus não estava tentando descobrir se verdadeiramente Abraão amava a Deus, mas sim se o seu coração estava se tornando idólatra em colocar seu filho como maior objeto de amor. 

Isso seria idolatria, e toda idolatria se torna destrutiva. 

O que Abraão não sabia é que este mesmo episódio se repetiria muitos anos depois. 

Naquela mesma região montanhosa de Moriá, outro primogênito foi crucificado em uma cruz. Jesus, o filho primogênito de Deus. 

Jesus chegou a clamar ao Pai dizendo: “Meu Deus, por que me desamparaste?”. 

Não se ouviu voz do céu alguma anunciando o livramento, Deus entregou seu próprio filho para morrer em nosso lugar. 

Na verdade, o verdadeiro substituto para o filho de Abraão não foi aquele carneiro, mas sim Jesus, o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. 

Jesus levou sobre si o castigo que estava sobre nós. Morreu uma única vez por nossos pecados. 

Paulo entendeu perfeitamente o significado da história de Isaque quando disse: “Aquele que não poupou o seu próprio filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará justamente com ele, e de graça, todas as coisas?” Rm 8: 32. 

Percebam, quando Deus disse para Abraão, agora sei que me amas, pois não me negaste teu único filho, hoje Deus está nos dizendo: “Agora você sabe que te amo, pois não lhe neguei meu próprio filho para lhe dar uma nova vida. 

Somente Jesus pode fazer verdadeiro sentido a toda a nossa história. Jesus é tudo o que necessitamos e Ele deve ser tudo em nós. 

Você está disposto a renunciar os falsos ídolos criados no coração e deixá-los para trás? 

Qual é o teu “Isaque” que você precisa renunciar hoje? 

O que tem tomado o lugar de Deus em sua vida? 

Em Cristo Jesus, Deus nos dá a oportunidade de confessar que o nosso coração é totalmente Dele e para Ele. 

Nada e ninguém devem tomar o nosso coração, Jesus deve ser o Rei que reina e que domine todas as nossas emoções e ações. 

Faça sua entrega hoje no altar do Senhor, sacrifique seus falsos ídolos, renuncie tudo que tem tomado o lugar de Deus em sua vida. 

Lembre-se, um ídolo é tudo aquilo que tem tomado a primazia de Deus em seu coração. 

(Mensagem baseada no livro de Timothy Keller – Deuses falsos). 

Sobre Comunidade Moriah

Seja bem vindo! Você acessou a página da Comunidade Moriah, uma Comunidade Cristã dedicada a viver e propagar a mensagem do Evangelho sem barganhas, em um espírito de humildade, sinceridade, moderação e amor. Aqui você poderá ficar por dentro de nossas atividades e conferir algumas das mensagens que têm sido ministradas entre nós. Esperamos que elas possam abençoar a sua vida tanto quanto nos têm abençoado!
Esse post foi publicado em Pregações. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s