AS TRAGÉDIAS E OS AVISOS DE DEUS

agua.ar.terra.fogo

Lucas 13: 1 – 8

    O texto anterior Jesus esta falando a respeito de juízo divino e que todos nós um dia passaremos por este juízo final, e que este tempo já se aproxima.

    Podemos então resumir todo este contexto com a nossa necessidade de acertamos hoje nossa vida com Deus, mas também acertarmos nossas vidas uns com os outros.

    Neste texto Jesus é informado que Pilatos estava cometendo uma grande atrocidade, matando alguns Galileus (e Jesus era Galileu) e pegava o sangue deles para misturar com seus sacrifícios pagãos.

    Os motivos por que Pilatos realizou tal chacina são desconhecidos, talvez por puro prazer de cometer sacrilégios. (Pecados contra a religião e coisas sagradas).

    Certamente veremos estes tipos de sacrilégios sendo cometidos esta semana mesmo com a comemoração do carnaval. (Pessoas misturando coisas sagradas com uma comemoração mundana, pagã).

    Quando Jesus é informado disto e conhecendo o coração daqueles que traziam as informações, ele lhes dá uma resposta inusitada: “Vocês pensam que esses galileus eram mais pecadores que todos os outros, por terem sofrido dessa maneira?”.

    Ou seja, existia na mentalidade do povo que se acontecesse algo de ruim a algumas pessoas, estes acontecimentos eram por que essas pessoas eram muito pecadoras e merecedoras de tais sofrimentos.

    Em João 9 as pessoas ao verem um cego de nascença perguntam a Jesus: “Quem pecou para que ele nascesse cego, ele ou seus pais?”.

   No livro de Jó, surge a mesma questão: Jó está sofrendo por que cometeu muitos pecados, então a mão de Deus está pesando sobre ele.

    Estas questões ainda são muito fortes nos nossos dias e ficamos fazendo especulações a respeito de tragédias que acontece com pessoas.

    Jesus relembra a respeito de uma grande tragédia acontecida naquele tempo. A torre da cidade de Siloé havia caído e matado dezoito pessoas.

    E Jesus repete a mesma reflexão: Eles eram mais culpados do que os outros habitantes de Jerusalém?

    E a resposta é a mesma: Logicamente que não!

    Então Jesus lhes fala a respeito de algo básico para todos: A necessidade do arrependimento.

    Jesus acaba de vez com todas as especulações a respeito das tragédias da vida e nos alerta sobre algo ainda mais importante: Examinarmos o próprio coração.

    Sim, isso mesmo. Sempre será mais fácil falarmos da vida alheia, da tragédia “dos outros”, dos pecados dos outros do que examinarmos nosso próprio coração.

    O mundo não está dividido entre maiores pecadores e menores pecadores. Para Deus não existe uns melhores e outros piores. Para Deus existem apenas pecadores.

    Portanto, não podemos especular a respeito da vida alheia, mas olharmos para dentro de nós mesmos e encararmos o nosso pecado.

    A bíblia afirma: “… pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus”. (Rm. 3: 23).

    Destituídos é afastado, que perdeu a dignidade, que ficou longe de Deus.

    Sabemos pela bíblia que não existe nenhum homem justo. Fomos concebidos em pecado.

    Pecamos por palavras, por obras, omissão e pensamentos e por isso precisamos passar pelo arrependimento.

    Arrependimento: Começa com o reconhecimento do pecado… Passa tendo tristeza pelo pecado e nos leva a confessar estes pecados e por último resulta em rompimento completo com o pecado.

    Jesus em vez de fazer um discurso contra Pilatos e especular a respeito das tragédias ele fala a respeito de algo pior.

    Não existe nada pior do que a morte sem arrependimento de pecado. O pecado é a maior tragédia da vida humana.

    Sem arrependimento e confissão dos pecados estamos completamente afastados de Deus e condenados a morte eterna.

    Jesus ilustra isto de maneira bem simples.

    Ele conta a parábola da figueira sem frutos.

    A figueira com suas folhagens exuberantes somos todos nós com a aparência de uma vida boa, perfeita e equilibrada.

    Porém, quando foi procurar fruto, não achou nenhum.

    Ou seja, Jesus não se contenta somente com as folhagens exuberantes, ele deseja frutos. Uma figueira sem frutos somente atrapalha o crescimento das outras plantações.

    Onde estão os nossos frutos de arrependimento?

    Estamos vivendo de forma muito perigosa. Estamos na igreja todos os domingos, ouvimos a palavra, recebemos tudo o que precisamos da parte de Deus e mesmo assim não existem frutos de arrependimento.

    Se não tivermos frutos de arrependimento, certamente pereceremos.

    Hoje é dia de examinarmos o próprio coração e verificarmos onde estão os frutos.

    Questões básicas para refletirmos:

  • Como está o nosso relacionamento dentro de casa?
  • Nossas palavras estão sendo doces ou amargas?
  • Nosso linguajar tem sido torpe ou santo? Profano ou sacro?
  • Temos sido fieis uns aos outros?
  • Temos honrado nossos pais?
  • Estamos levando nossos filhos a ira?
  • Estamos desejando aquilo que é dos outros?
  • Nossos pensamentos estão ocupados demais com invejas, ciúmes e mentiras?

    “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei”.

    Mas o fruto do Espírito não para por aí!

    “Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e os seus desejos. Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito”. Gl 5: 22 – 25.

    A parábola que Jesus contou fala a respeito do evangelho da segunda oportunidade.

    Uma figueira normalmente demora uns três anos para dar fruto. Se não der fruto neste período é muito provável que nunca mais produza frutos.

    O dono da vinha pediu para cortar a figueira fora, mas surge um intercessor: O homem que cuidava da vinha pediu mais uma oportunidade para a figueira.

    Jesus é o nosso intercessor que está pedindo ao Pai mais uma oportunidade. Ele está cavando ao nosso redor, colocando mais adubo e aguardando nossos frutos.

    Mas não podemos esquecer que um dia chega o juízo final de Deus onde à falta de arrependimento será inevitável: “se der fruto no ano que vem, muito bem! Se não, corte-a”.

    Hoje temos ainda a oportunidade de examinar o nosso coração e percebermos onde estão os frutos do arrependimento.

    Jesus está nos dando mais uma oportunidade para mudarmos segundo o seu propósito, segundo aquilo que Ele mesmo nos criou e morreu em nosso favor para que os nossos pecados fossem perdoados.

    Podemos escolher hoje se vamos continuar especulando as tragédias da vida ou vamos examinar nosso próprio coração.

    Lembre-se sempre: Deus deseja frutos e não somente folhas. Deus deseja vida e não apenas palavras vazias.

 

Sobre Comunidade Moriah

Seja bem vindo! Você acessou a página da Comunidade Moriah, uma Comunidade Cristã dedicada a viver e propagar a mensagem do Evangelho sem barganhas, em um espírito de humildade, sinceridade, moderação e amor. Aqui você poderá ficar por dentro de nossas atividades e conferir algumas das mensagens que têm sido ministradas entre nós. Esperamos que elas possam abençoar a sua vida tanto quanto nos têm abençoado!
Esse post foi publicado em Pregações, Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s