O REFLEXO DA NOSSA IDENTIDADE

tumblr_lvctj95ftj1qkabz1o1_500_large1

“Tornem-se meus imitadores, como eu o sou de Cristo”.

I Cor. 11: 1

Nesta série de mensagem estamos refletindo sobre o resgate da nossa identidade, pois nossa identidade foi corrompida.

Falamos que existe um espírito “narcisista” em nosso século. O homem de hoje não quer e não deseja glorificar a Deus através de suas vidas… Ele prefere a autoglorificação.

Hoje vamos falar a respeito do reflexo da nossa identidade. O que diz o espelho a respeito de mim?

Sim, precisamos nos colocar diante de um espelho e nos perguntarmos: “Quem sou eu verdadeiramente? O que minha imagem diz a respeito de mim?”.

Vejamos nosso texto: “Tornem-se meu imitadores como eu o sou de Cristo”. Quem disse isto foi o apóstolo Paulo.

Paulo era uma pessoa apaixonada pelo evangelho e levou até as últimas conseqüências o chamado de Cristo para segui-lo.

Ele dizia que era uma “carta viva” de Cristo e que trazia em seu corpo as marcas de Cristo.

Também falou que tudo o que conquistou considerou como perda comparada com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus.

Ele possuía um “alvo” e para alcançar este alvo deixaria tudo para trás. Seu alvo era Cristo, esta era a sua filosófica de vida.

O desejo de Paulo era cada vez mais se tornar semelhante a Cristo e mostrar que sua vida foi transformada e sua humanidade foi restaurada.

Ele refletia Cristo e anunciava que deveríamos nos esforçar por viver a plenitude do conhecimento de Cristo em nós.

Muito mais do que isto, ele nos faz um convite para imitá-lo.

Se existe um espírito narcisista em nosso século, A marca deste narcisismo é o individualismo.

Não conseguimos mais viver para outras pessoas (até mesmo casamento e filhos) e muito menos para Deus.

Mesmo assim Deus ainda deseja nos fazer o mesmo convite que Paulo fez de forma enfática e corajosa: “Tornem-se meus imitadores como eu o sou de Cristo”.

Honestamente irmãos, olhando para a minha vida jamais teria coragem para dizer para vocês me imitarem.

Quem sou eu para isto? Quais são as minhas credenciais para isto?

Melhor seria repetir outro clichê: “Faça o que eu digo, mas não faça o que faço”.

Na verdade irmãos existem uma distancia muito grande entre a proposta de Cristo para nossas vidas e a vida que vivemos.

Perdermos nossas convicções e perdemos nosso chamado e quem sabe já estamos negligenciando a própria fé.

Para muitos cristãos hoje a conversão se resume apenas em ir à igreja, crer em Jesus, ser batizado e exercer algum ministério na igreja.

Mas para Paulo a vida cristã era se tornar discípulo de Jesus, obedecê-lo em tudo e fazer exatamente aquilo que Jesus certamente faria.

Paulo era um imitador de Jesus. Sua preocupação não era apenas crer, mas se identificar com um modelo de vida.

O estilo de vida de Paulo era ética moral e ética social e vida devocional. A vida de Paulo era um reflexo da vida de Cristo. (Estou crucificado com Cristo).

Há muitos anos atrás surgiu um livro chamado “Em teus passos, o que faria Jesus” A pergunta “o que Jesus faria em meu lugar” passa a orientar todas as ações da vida de uma pessoa.

Será que para cada ação, cada decisão que precisamos tomar, teríamos a coragem de perguntar o que Jesus faria hoje em meu lugar?

Será que Jesus iria aos mesmos lugares que vamos? Faria as mesmas coisas que fazemos? Tomaria as mesmas atitudes que tomamos? Tomaria as mesmas decisões que queremos tomar?

Notem algo importante: Paulo não se apresenta como um modelo a ser seguido, mas ele apresenta Cristo Jesus para andarmos como ele e imitar a sua vida.

      Por isso Jesus no faz um convite para uma vida de arrependimento e fé. O chamado de Jesus é para deixarmos o nosso jeito de viver para viver do jeito que Deus planejou desde o início.

Fomos criados por Deus e para Deus. Criados à imagem e semelhança de Deus.

Jesus é o filho de Deus encarnado, o Messias prometido por Deus para redimir todos aqueles cuja identidade foi corrompida pelo pecado.

Jesus no chamou para viver a sua vida e deixar a nossa vida na semelhança de sua morte e ressurreição.

     Preciso fazer uma pergunta perturbadora: Se não estamos imitando nem a Cristo e nem a Paulo, a quem estamos imitando?

Hoje são muito comuns as “tribos urbanas”. Essas agregações apresentam uma conformidade de pensamentos, hábitos e maneiras de se vestir.

Pessoas vivem de acordo com o “costume, gosto, e filosofia de vida de cada tribo”.

Elas vivem e imitam aquilo que a tribo faz. Vivem da mesma forma, curtem as mesmas músicas, vestem as mesmas roupas e se identificam nos ideais de cada tribo.

Vejamos bem: Elas se identificam… Elas refletem o pensamento… Elas difundem seus ideais… Elas se apegam aquela ideologia e disseminam a sua ideologia.

E nós cristãos? A quem estamos imitando? Quem é que está modelando sua vida? Com quem você está mais parecido? Com sua tribo ou com Cristo?

     Está chegando o tempo que precisamos deixar de sermos cristãos apenas nominais… A vida de Cristo Jesus tem que fazer toda a diferença em nós.

Sua vida reflete a Cristo?

Refletimos aquilo que amamos!

      Nossa vida é um reflexo de tudo aquilo que estamos vivendo. Aliás, somos escravos daquilo que damos mais valor.

Jesus certa vez disse: “Onde estiver o teu tesouro, ali também está o teu coração. Mt. 6: 21.

Sua identidade reflete aquilo que você mais ama. Sua identidade reflete aquilo pelo qual você foi seduzido.

O salmo 115 combate exatamente a idolatria e a pior idolatria que vivemos é a idolatria do “eu”. O salmista diz: “Tornem-se como eles aqueles que os fazem e todos os que neles confiam”.

Você se torna aquilo que você adora. Você se torna aquilo que você acredita e você se torna com o entendimento obscurecido e o coração insensato.

Hoje o reflexo da nossa identidade é definido pela busca dos anseios humanos. São desejos e paixões nutridos por um cenário construído pela mentira e pelo engano.

No filme “O jogo da imitação” é chamado os melhores matemáticos que constroem uma máquina para decifrar enigmas criptografados. Eram mensagens enviadas pelos nazistas para atacar. (foi o primeiro computador).

Desta forma os britânicos saberiam onde seriam seus ataques e se antecipariam para surpreendê-los e evitarem uma catástrofe.

Hoje não precisamos mais decifrar códigos secretos para saber de onde nos vêem os ataques. Somos atacados por todos os lados. (influenciados).

A única maneira de anteciparmos os ataques é imitarmos a Cristo. Andar como Jesus andou… Fazer o que Jesus faria… Viver como Jesus viveu… Pensar como Jesus pensaria… Usar o escudo da nossa fé.

Precisamos ser moldados e transformados por Jesus. Desta forma vamos refletir Jesus e Deus será glorificado através das nossas vidas.

Sobre Comunidade Moriah

Seja bem vindo! Você acessou a página da Comunidade Moriah, uma Comunidade Cristã dedicada a viver e propagar a mensagem do Evangelho sem barganhas, em um espírito de humildade, sinceridade, moderação e amor. Aqui você poderá ficar por dentro de nossas atividades e conferir algumas das mensagens que têm sido ministradas entre nós. Esperamos que elas possam abençoar a sua vida tanto quanto nos têm abençoado!
Esse post foi publicado em Pregações. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s